24 de mar de 2010

Um deputado para governador

As regras para nortear as eleições indiretas ainda não estão definidas, mas a maioria dos distritais já tem um posicionamento quanto à candidatura de um dos pares. Treze dos 23 deputados — um deles está preso na Papuda — defendem a permissão para que um integrante da Câmara Legislativa concorra à vaga de governador tampão. E nove são contrários a essa autorização. Apenas um se diz indeciso. Assim, se o pleito fosse hoje, haveria forte tendência de os distritais escolherem um dos colegas para chefiar o Executivo. Entre os que opinam pela participação de um representante da Câmara no processo de sucessão, estão sete dos dez políticos investigados na Operação Caixa de Pandora.
Nomes da Câmara que surgiram como possíveis candidatos ou que se empenham para influenciar decisivamente na escolha do governador também se posicionam pela permissão. Alírito Neto (PPS), por exemplo, acha que qualquer parlamentar, seja ele deputado federal, senador ou distrital, deveria ter o direito a concorrer: “O que deve contar é a plataforma política, um programa de governo capaz de tirar a cidade da crise”. Além dele, Eliana Pedrosa (DEM) favorece o grupo dos que são a favor da candidatura de um distrital. Os dois políticos são lembrados como candidatos. Mas não confirmam a hipótese. Trabalham nos bastidores para participar do processo. Eliana Pedrosa, por exemplo, vem sondando algumas pessoas para a disputa, entre as quais, o ex-presidente do Tribunal de Contas do DF, Paulo César Ávila.

Nenhum comentário:

Postar um comentário