31 de mai de 2012

CPI vai ouvir Agnelo e Perillo

O presidente da CPI que investiga as relações do bicheiro Carlinhos Cachoeira anunciou hoje (31) que marcou para o dia 12 de junho o depoimento do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e para o dia 13 de junho, a audiência com o governador do Distrito Federal, Agnelo Querioz (PT). A convocação dos dois foi aprovada ontem junto com a rejeição, por 17 votos a 11, para chamar o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB). A convocação de Perillo foi aprovada por unanimidade e a de Agnelo, por 16 votos a 12. Acho que Agnelo tem muito o que falar, porque tá meio enrolado!!! Perillo nem se fala.

30 de mai de 2012

Prorrogada prisão de ex-deputado


A Delegacia de Repressão ao Crime Organizado do DF informou nesta terça-feira (29) que prorrogou por mais cinco dias os mandados de prisão do ex-deputado distrital Júnior Brunelli e de um assessor dele. Por mim, ele poderia ficar um pouco mais!!!!

29 de mai de 2012

Aprovada quebra de sigilo das contas nacionais da construtora Delta


A Comissão Parlamentar Mista criada para apurar o elo do bicheiro Carlinhos Cachoeira com políticos e empresários aprovou na tarde desta terça-feira (29) a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico das contas nacionais da construtora Delta. Segundo investigação da Polícia Federal, a Delta, uma das empresas com mais contratos com o governo federal, repassou dinheiro para empresas fantasmas que abasteciam o grupo de Cachoeira. O único a votar contra a quebra do sigilo da Delta nacional foi o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP). Pouco depois da aprovação, a sessão da CPI foi encerrada. 
Convocação de governadores - Antes, a CPI havia decidido adiar para o dia 5 de junho, na próxima reunião administrativa da comissão, a votação dos requerimentos de convocação de governadores. A CPI recebeu requerimentos de convocação dos governadores do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), e de Goiás, Marconi Perillo (PSDB).

28 de mai de 2012

PSDB está de olho em Lula


O PSDB decide hoje (28) qual medida judicial tomará para que o ex-presidente Lula se explique sobre a informação de que procurou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, para tentar adiar o julgamento do caso mensalão. O líder do partido na Câmara dos Deputados, Bruno Araújo (PE), disse estar estarrecido com a notícia. Lula teria proposto ajuda em CPI para adiar mensalão, diz Gilmar Mendes. Segundo reportagem da revista Veja, Lula teria oferecido ao ministro blindagem na CPI que investiga as relações do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com políticos e empresários. "Não é admissível que qualquer autoridade, especialmente um ex-presidente, tenha em seu poder informações fundamentais para as investigações e que, ao contrário de partilhá-las, faça uso político das mesmas", afirma o deputado. Mendes confirmou o encontro e o teor da conversa, mas não quis dar detalhes. "Fiquei perplexo com o comportamento e as insinuações despropositadas do presidente" , disse. O encontro aconteceu em 26 de abril no escritório de Nelson Jobim, ex-ministro de Lula e ex-integrante do STF. O petista disse ao ministro, segundo a revista, que é "inconveniente" julgar o processo agora teria feito referências a uma viagem a Berlim em que Mendes se encontrou com o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), hoje investigado por suas ligações com Cachoeira. Membro do Ministério Público, Demóstenes era na época um dos interlocutores do Judiciário e de seus integrantes no Congresso. A assessoria de Lula negou o conteúdo da conversa e afirmou que nunca interferiu em processo judicial. Jobim disse não ter escutado a conversa.

25 de mai de 2012

Dilma veta 12 artigos e faz 32 modificações no Código Florestal


A presidente Dilma Rousseff vetou 12 artigos do projeto de lei do Código Florestal aprovado no final de abril pela Câmara dos Deputados. A presidenta realizou também 32 modificações no texto, sendo que 14 recuperaram o texto aprovado no ano passado pelo Senado Federal, cinco são dispositivos novos e 13 são ajustes ou adequações de conteúdo do projeto. Segundo o ministro da Advocacia Geral da União, Luís Inácio Adams, as alterações serão introduzidas por meio de medida provisória, junto com a publicação dos vetos, na próxima segunda-feira (28). De acordo com Adams, a presidente decidiu reintroduzir o artigo primeiro do texto aprovado no Senado, que trata dos princípios da lei, que ela entende ser essencial para a produção sustentável e o meio ambiente. Vetou o artigo 61 que, segundo Adams, a presidente considera central para a questão produtiva e social. O anúncio foi feito nesta sexta-feira em entrevista coletiva que conta também com a participação dos ministros Izabella Teixeira (Meio Ambiente), Pepe Vargas (Desenvolvimento Agrário) e Mendes Ribeiro (Agricultura).



24 de mai de 2012

Fim de sigilo da Delta põe PT e PMDB em crise

O PT e o PMDB estão em pé de guerra depois de o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), ter defendido a quebra do sigilo bancário da Delta Construções em nível nacional e de seu principal acionista, Fernando Cavendish.

Diante da crise, Cunha optou nesta quarta pela cautela. Mas o deputado confidenciou a correligionários que fez uma reavaliação da blindagem da empreiteira e que, diante das evidências, não tem como evitar que as investigações recaiam sobre a Delta nacional e seu proprietário.

A decisão irritou o PMDB, em especial a ala ligada ao governador do Rio, Sérgio Cabral. Ele é amigo de Cavendish, com quem viajou para o exterior. Os peemedebistas alegam que a quebra de sigilo da Delta é uma reivindicação da oposição para tirar o foco do governador de Goiás, o tucano Marconi Perillo, que estaria envolvido com o esquema do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Com a provável aprovação da quebra dos sigilos da Delta, os peemedebistas estão certos de que a oposição terá munição para pedir a convocação de Cabral.

Em represália, o PMDB passou ontem a trabalhar com a ideia de não se aliar ao PT para convocar Perillo. Dizem que é mais fácil, agora, não aprovar a convocação de nenhum dos governadores alvo de denúncias.

'Não é nosso'

Por ora, a cúpula do PMDB tenta manter postura de distanciamento. A alegação é que Cabral nunca foi "nosso" – ou seja, do PMDB – e não haveria motivos para o partido se empenhar na sua defesa. O líder da sigla na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), avisou que não pretende trocar seus titulares na CPI – Luiz Pittman (DF) e Íris Araújo (GO). Eles prometem votar a favor da quebra do sigilo.

Segundo integrantes da CPI, Cunha cogitou tornar a sessão desta quinta em administrativa, para aprovar a quebra dos sigilos da Delta nacional e de Cavendish. O relator teria sido demovido da ideia pelo próprio PT. "Não se pode fazer uma reunião administrativa nas coxas", disse o ex-líder Cândido Vaccarezza (PT-SP), ao garantir que apoia a decisão de pedir a quebra dos sigilos.

Para os aliados, Cunha mudou sua postura e resolveu contrariar a blindagem à Delta porque está preocupado com sua imagem. O petista sonha em ser candidato ao governo de Minas, em 2014, e não quer "queimar" sua biografia. Ele estaria passando por processo semelhante ao que ocorreu na CPI dos Correios, quando o presidente Delcídio Amaral (PT-MS) e o relator Osmar Serraglio (PMDB-PR) também mudaram de comportamento ao longo das investigações e denunciaram a existência do "mensalão" no governo Lula.

Cunha decidiu ampliar a apuração após documentos da Operação Saint-Michel – deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal após a Monte Carlo – apontaram que os ex-diretores da Delta no Centro-Oeste, Cláudio Abreu, e no Sudeste, Heraldo Puccini, tinham procuração para movimentar dinheiro em contas nacionais da empreiteira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

17 de mai de 2012

PPS diz que vai pedir mandato de deputado do DF que sair do partido

A assessoria do deputado federal Roberto Freire (SP), presidente nacional PPS, informou nesta quinta-feira (17) que o partido vai pedir as duas cadeiras ocupadas pelos deputados distritais na Câmara Legislativa do Distrito Federal caso eles peçam a desfiliação do partido. Nessa quarta (16), a direção nacional afirmou por meio de nota que haverá intervenção na executiva regional para garantir que o partido cumpra no DF a determinação de se afastar do governo Agnelo Queiroz. Segundo a assessoria de Freire, os mandatos de Luzia de Paula ( suplente de Alírio Neto - Secretario de Justiça) e Cláudio Abrantes pertencem ao partido e que, se eles decidirem se afastar da legenda devido à decisão da executiva nacional, perderão os cargos.

8 de mai de 2012

PPS deixa base do governo Agnelo

Em reunião da executiva nacional do Partido Popular Socialista - PPS ocorrida há pouco na Câmara dos Deputados, foi decidido por unanimidade que todos os filiados do partido no Distrito Federal deixe os cargos que ocupem no governo Agnelo. Se não acontecer, haverá intervenção no diretório regional. O partido tem dois deputados distritais, um deputado federal (suplente) uma secretaria de estado, duas administrações regionais e diversos cargos no segundo escalão.