28 de out de 2010

Debate na Globo, Weslian vai ou não?

Ir ou não ir, eis a questão. Ao parafrasear o pensamento do dramaturgo William Shakespeare, pode-se imaginar o que gira em torno da candidata Weslian Roriz (PSC) sobre a presença no debate de logo mais, na Rede Globo, o último antes das eleições.

A ida da mulher de Joaquim Roriz é muito aguardada pelos eleitores, já que ela não deu as caras em nenhum outro encontro do gênero. O confronto com o adversário Agnelo Queiroz (PT) é a cartada final do segundo turno. Com mais uma ausência, os eleitores só poderão ver um candidato da ala rorizista daqui a quatro anos. A participação da ex-primeira-dama no debate de logo mais é tão complexa que divide as opiniões de integrantes da coligação Esperança Renovada. Contudo, os mais próximos garantem que a decisão final será dela.

O desempenho de Weslian foi alvo de críticas nos dois confrontos do primeiro turno, contra Agnelo, Toninho do PSOL e Eduardo brandão (PV). Weslian fez perguntas fora de ordem, não usou todo o tempo disponível e chegou a dizer que "defenderia corrupção" num eventual governo que dirija. Várias cenas das exibições viraram vídeos em sites da internet. A coligação da candidata chegou a entrar na Justiça Eleitoral exigindo a retirada do material.

Questionada ontem à noite, ao final das atividades de campanha, se participaria do debate final, a candidata disse que iria pensar. Essa mesma posição ela teve às vésperas das outras oportunidades e não compareceu em qualquer delas.

"Sou uma mulher de tomar decisões de última hora", justificou-se, bem-humorada.Joaquim Roriz também defende a tese de que cabe a ela escolher se vai ou não. "É ela quem vai decidir", saiu-se.

Eu particularmente acho que D. Weslian vai ao debate pelos seguintes motivos:


  • A audiência da Rede Globo é muito grande;

  • Ela está em desvantagem nas pesquisas e precisa alcançar Agnelo;

  • É o ultimo dia de propaganda eleitoral no rádio e na TV e,

  • Como ela foi mal no único debate que foi, deve ter treinado para este.

27 de out de 2010

Salário do servidor só depois das eleições

Deveria ter sido votado ontem na Câmara Legislativa um pedido de crédito extraordinário do Governo do Distrito Federal para pagamento dos servidores públicos. Eram R$ 114 milhões e há dinheiro em caixa para executá-lo. Surpreendentemente, havia até quorum para votar a proposta. Na hora, porém, os três deputados petistas que estavam em plenário preferiram sair. Há quem faça uma correlação entre a ausência e a eleição de domingo. Como o Buriti ampliou o feriadão, unindo o Dia do Servidor ao Dia de Finados, os petistas temem que os funcionários deixem a cidade e, assim, Agnelo Queiroz perca preciosos votos. Caso votassem o crédito extraordinário, os servidores receberiam o salário antes do feriado. Um dos distritais explicou, depois, que não sabiam se havia número, nem quando ocorreria a votação. Então ficamos assim.

26 de out de 2010

Especialistas explicam que as propostas de Weslian Roriz quebrariam o DF


Com o dia das eleições se aproximando, a clássica chuva de promessas, muitas vezes mirabolantes, podem até surtir algum efeito positivo nas urnas. No entanto, o resultado seria desastroso para as contas públicas. Promessas feitas por Weslian Roriz (PSC), como a anistia de multas de trânsito, a entrega de escrituras sem custos cartorários e a criação de programas como o auxílio-desemprego, são compromissos que deixariam o Distrito Federal na penúria, de acordo com economistas e especialistas em gestão pública ouvidos pelo Jornal de Brasília.

Conhecedor da máquina pública, o professor em Gestão Pública e Administrativa Jeferson Ribeiro afirmou que, em primeiro lugar, todas essas propostas esbarram na Lei Orgânica do DF. "Esse tipo de promessa não faz o menor sentido. Para começo de conversa, qualquer iniciativa que mexa com isenção fiscal e tributária fere o Artigo 131 da nossa Lei Orgânica. Além disso, teria que haver a anuência de 2/3 da Câmara Legislativa antes de ser feita".

Na opinião de Jeferson, todas as propostas relacionadas à isenção de IPVA de motos e anistia de multas faria o DF ultrapassar a Lei de Responsabilidade Fiscal e levaria a cidade ao caos. "Promessas como essas não passam de estelionato eleitoral e e quebrariam o DF e todos os seus órgãos", disse.

Na mesma linha de raciocínio, o economista Roberto Piscitelli lembrou que a promessa de Weslian em criar o auxílio-desemprego é completamente fora da realidade. Para explicar, o economista fez uma equação simples. "Pesquisas apontam que 198 mil pessoas estão desempregadas no DF, cerca de 20% da população economicamente ativa.
Com informações do clicabrasília.

25 de out de 2010

Na reta final da campanha, TV é prioridade de Agnelo


Os eventos de mídia – debates e programas eleitorais de TV – são prioridade do candidato ao Governo do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), na última semana que antecede as eleições. A agenda de debates e sabatinas inicia-se hoje, no Jornal de Brasília, e prossegue na terça e quarta-feira, com eventos agendados no SBT e na Rede Globo.

"Não vamos perder qualquer oportunidade para falar das nossas ideias", frisou, ontem, o coordenador de comunicação da coligação Um Novo Caminho, Luís Costa Pinto. Ele ressaltou que Agnelo manterá a postura de comparecer aos debates, ainda que a adversária Weslian Roriz (PSC) não confirme presença, como tem acontecido em todos os confrontos marcados para o segundo turno.

Segundo o coordenador, boa parte do tempo de Agnelo também será preenchida com as horas destinadas à gravação do programa eleitoral de televisão. Tudo isso sem prejuízo aos compromissos populares, como as carreatas e o corpo a corpo com o eleitorado, "as andanças", como ele mesmo define.

Para a militância, a palavra de ordem é "manter a serenidade" e não subir no salto alto, disse o coordenador. As últimas pesquisas Datafolha e Exata, divulgadas na última sexta-feira, mostraram o petista com 23 pontos de vantagem sobre Weslian, considerando os votos válidos.

21 de out de 2010

Ivelise vai de Agnelo


A vice-governadora do Distrito Federal, Ivelise Longhi (PMDB), anunciou no início da tarde desta quinta-feira que apoiará a candidatura de Agnelo Queiroz ao Palácio do Buriti. Ela se reuniu durante o almoço com o candidato a vice da coligação Novo Caminho, Tadeu Filippelli, em sua casa no Lago Norte, para oficializar a posição.

Weslian treina com marqueteiro que era 'inimigo'


O coordenador de Comunicação da campanha de Weslian Roriz (PSC), jornalista Paulo Fona, não é mais o responsável pelo programa eleitoral de rádio e tv da esposa do ex-governador Roriz. Dimas Thomas, pilota a empreitada. Antes de 3 de outubro moldava o discurso anti-PT e anti-Roriz do candidato Toninho do PSOL.

20 de out de 2010

Heloísa Helena deixa presidência do PSol

A vereadora e ex-senadora do P-SOL, Heloísa Helena (AL), decidiu se afastar da presidência nacional do partido por causa do apoio da legenda à candidata à Presidência da República, Dilma Rousseff (PT). No comunicado, Heloísa Helena deixa claro que continuará na militância do P-SOL. Ela concorreu a uma das duas vagas ao Senado mas não conseguiu se eleger.“Em respeito à nossa militância e aos muitos dirigentes que tanto admiro e por total falta de identidade com as posições assumidas nos últimos meses pela maioria das instâncias nacionais (culminando com o apoio a Candidatura de Dilma!) tenho clareza que melhor será para a organização e estruturação do partido o meu afastamento e a minha permanência como militante fundadora do P-SOL”, afirma a ex-senadora na nota.Heloísa Helena criticou as “alterações estatutárias” promovidas pela direção do partido que, na prática, já teria lhe afastado “de fato” da presidência da legenda. Por conta dessas disputas internas e por ter sido eleita presidente do partido por uma chapa minoritária, a vereadora optou pelo afastamento mantendo-se, apenas, como militante.

Agnelo pede à militância que se mobilize e evite sumiço do eleitor no segundo turno


No evento na tarde de ontem em que aproveitou para estreitar os laços com o PTB, Agnelo Queiroz pediu aos servidores do DF para não viajem no dia das eleições. Isso porque, além de decretar ponto facultativo no GDF segunda-feira, circula a informação de que o governador Rogério Rosso (PMDB) – que apoia oficialmente Weslian Roriz (PSC) – vai antecipar o pagamento dos salários dos servidores. Isto poderia causar o desinteresse do funcionalismo, mais preocupado em curtir o feridão do que ir às urnas votar.

Agnelo confessou-se preocupado com a abstenção na votação do segundo turno. O candidato considera que tamanho agrado seria uma tentativa de desmobilizar a base de votação petista, em 31 de outubro. Com dinheiro no bolso, as famílias ficariam mais à vontade para deixar a cidade.

Por isso, Agnelo pediu para que os militantes espalhassem o pedido e a preocupação em suas casas, trabalho e rodas de amigos. "Mas esse tiro vai sair pela culatra", previu.

Plano federal

No evento do PTB, cercado por militantes do partido, Agnelo discursou ao lado do distrital reeleito Cristiano Araújo e do candidato a deputado federal derrotado Toninho Pop. Entre as promessas da campanha para o segundo turno, o distrital garantiu que a aliança com o PT chega à esfera nacional, com a bênção do senador Gim Argello (PTB).Cristiano garantiu que, como relator do orçamento de 2011, trabalhará para deixar as contas "em ponto de bala" para Agnelo, no caso de vitória nas urnas. Apesar das ligações de sua família com os Roriz, o distrital afirmou estar 100% ao lado de Agnelo.

19 de out de 2010

Mais uma vez Weslian abandona debate

Desculpas não faltam da parte dos coordenadores da campanha de Weslian Roriz, sobretudo a mais recente – a de que os debates não são prioridade para ela. Assim, a candidata despreza o confronto de ideias, uma tradição das eleições brasileiras que vem dos tempos da redemocratização. Weslian, ao não comparecer à discussão com Agnelo Queiroz, ontem à noite, na Rede Record, deixou claro que tem pouco (ou nada) a dizer.

Os eleitores, sobretudo os dela, não podem estar satisfeitos com um gesto assim. A estratégia de omissão e fuga de Weslian a cobre com o manto do oportunismo. Fica evidente a manobra eleitoral pretensamente esperta, na qual uma mulher contra a qual não pesa qualquer acusação serve de joguete ao marido impugnado pelo passado suspeito.

Agnelo, porém, não teve boa vida, ante às perguntas dos jornalistas que participaram do debate improvisado como sabatina. Sobretudo quando lhe foi indagado se escondeu Tadeu Filippelli, seu vice, da campanha. O petista foi firme ao dizer que o deputado tem uma trajetória sólida na Câmara dos Deputados. E enfatizou: "É ficha limpa".

Com informações do clicabrasilia.

18 de out de 2010

Eles querem Fraga Governador

10h59 de domingo, duas semanas antes do segundo turno das eleições. Toca o telefone de Alberto Fraga (DEM), o ex-braço direito de José Roberto Arruda que tentou voo solo no primeiro turno, não obteve o apoio do partido, enquadrou-se, disputou e perdeu vaga para o Senado na chapa de Roriz. "Oi, Fraga, é o Rogério (Rosso), tudo bom", cumprimentou o governador, aquele que está no cargo desde abril, eleito indiretamente, que também tentou se candidatar ao governo, levou um chega pra lá do PMDB e juntou-se a Roriz. "Tudo bem, o que você manda?", perguntou Fraga. "É só uma sondagem, por enquanto. Mas o que você me diria de substituir dona Weslian na campanha?", disse Rosso.
E o que era "apenas uma sondagem" vazou e mobilizou as duas campanhas em torno do que, ao longo do dia, evoluiu para a especulação. Seria possível, nesta altura do campeonato, a substituição de candidatos? Sem ter certeza sobre o convite e a viabilidade legal da troca, Fraga se colocou a postos: "Sou um soldado da coligação, faço de um tudo para evitar que a corja do PT ganhe essa eleição. Topo ser o candidato desde que o convite seja formal".

É preciso aguardar o posicionamento do TSE, mas de acordo com alguns juristas essa possibilidade é inviavel.

Com informações do Correio web.

14 de out de 2010

Benício entra, Ribeiro sai.


A ministra Carmen Lúcia Antunes Rocha, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), concedeu ontem o registro de candidatura para Benício Tavares (PMDB), que concorreu nas eleições do dia 3 de outubro ao cargo de deputado distrital. Benício obteve 17.558 votos (que estavam congelados) e assume a vaga na Câmara Legislativa, no lugar de Raimundo Ribeiro (PSDB) que obteve 12.794 votos. Ainda cabe recurso da decisão, mas até o julgamento final, a vaga de distrital é de Benício.

O político teve seu registro negado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) com base na Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/10) porque foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) por apropriação de dinheiro (apropriação indébita) da Associação dos Deficientes Físicos de Brasília.

De acordo com a ministra Cármen Lúcia, o político não chegou a cumprir a pena porque ocorreu a "prescrição retroativa do crime". Ela explicou que a jurisprudência é no sentido de que "o reconhecimento da prescrição da pretensão punitiva de forma retroativa afasta a incidência de hipótese de inelegibilidade, pois possui os mesmos efeitos da absolvição ou da reabilitação".

Com informações do clica brasília.

Volta das férias


Olá Pessoal, estou de volta de umas férias merecidas!!!!!