18 de out de 2010

Eles querem Fraga Governador

10h59 de domingo, duas semanas antes do segundo turno das eleições. Toca o telefone de Alberto Fraga (DEM), o ex-braço direito de José Roberto Arruda que tentou voo solo no primeiro turno, não obteve o apoio do partido, enquadrou-se, disputou e perdeu vaga para o Senado na chapa de Roriz. "Oi, Fraga, é o Rogério (Rosso), tudo bom", cumprimentou o governador, aquele que está no cargo desde abril, eleito indiretamente, que também tentou se candidatar ao governo, levou um chega pra lá do PMDB e juntou-se a Roriz. "Tudo bem, o que você manda?", perguntou Fraga. "É só uma sondagem, por enquanto. Mas o que você me diria de substituir dona Weslian na campanha?", disse Rosso.
E o que era "apenas uma sondagem" vazou e mobilizou as duas campanhas em torno do que, ao longo do dia, evoluiu para a especulação. Seria possível, nesta altura do campeonato, a substituição de candidatos? Sem ter certeza sobre o convite e a viabilidade legal da troca, Fraga se colocou a postos: "Sou um soldado da coligação, faço de um tudo para evitar que a corja do PT ganhe essa eleição. Topo ser o candidato desde que o convite seja formal".

É preciso aguardar o posicionamento do TSE, mas de acordo com alguns juristas essa possibilidade é inviavel.

Com informações do Correio web.

Nenhum comentário:

Postar um comentário