26 de abr de 2010

Militância petista no DF resiste a aliança com PMDB

A cúpula do PT-DF enfrenta uma disputa entre os militantes que querem se alinhar somente com legendas tradicionais da esquerda e os que preferem uma coligação mais ampla, nos mesmos moldes do que está fazendo a direção nacional do partido em favor da candidatura da ex-ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, à Presidência da República. Neste final de semana, o PT-DF realizou vários encontros com os membros das zonais do partido. De acordo com presidente da legenda no DF, Roberto Policarpo, aparentemente os grupos que defendem coligações com o PCdoB, PSB e PDT, aliados históricos, são hoje a maioria. "O que dá para notar é que existe muita resistência interna sobre a possibilidade de nos aproximarmos do PMDB", analisou Policarpo. O prazo para que a cúpula vença as resistências dos setores mais tradicionais petistas é 15 de maio, quando começa o encontro regional da sigla. Segundo Policarpo, aguarda-se as presenças de 350 filiados que, no voto, definirão o formato das alianças para a eleição de outubro. Para amanhã, está marcado encontro do diretório distrital, que terá na pauta esse assunto. Outro tema que também estará em discussão é se a sigla vai apoiar ou não o governador, Rogério Rosso, eleito na semana passada.

"A gente quer fazer um processo em sintonia com o PT nacional. Isso está sendo levado em conta", antecipa o presidente do PT-DF. Nacionalmente, o partido do presidente Lula vem dando sinais claros de que fará uma articulação que não se restringirá a siglas de esquerda. Isso significa fechar acordos políticos com o PMDB, do presidente da Câmara, Michel Temer (SP), que pleiteia a condição de vice na chapa de Dilma Rousseff, e legendas como PR e PRB.
Debates nas satélites
"Ainda é cedo para se definir, falta um bom tempo antes da decisão final, mas o processo já foi desencadeado", ressaltou Policarpo. Ontem, o PT-DF promoveu encontros em Santa Maria, Candangolância, Cruzeiro e Guará. No sábado, os debates aconteceram em Planaltina, Plano Piloto e Sobradinho. O ex-deputado distrital Chico Floresta disse que no encontro promovido na zonal do Plano Piloto, da qual é membro, a grande maioria se mostrou favorável a uma coligação mais "restrita com os partidos que o PT normalmente se alia". Floresta, porém, tem visão diferente. Ele, como a grande parte da direção local, considera melhor que a legenda se una a um leque maior de partidos. "Pelo que tenho ouvido de membros de outras zonais, creio que existe possibilidades de que seja aprovada a coligação com PMDB, PR e PRB". Outro militante do PT local, Gustavo Balduíno, compartilha do mesmo pensamento. "A minha opinião é que devemos fazer aliança como a do governo Lula. Devemos seguir esse padrão nacional". Ele faz a ressalva de que essa articulação respeite critérios éticos, impedindo acesso de quadros com restrições criminais. "Quanto mais ampla a aliança melhor, mas a partir de um programa de governo", resaltou Balduíno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário